segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Slave

Duo de Birmingham, no Alabama, pouco lembrada mas excelente, principalmente com seu álbum de 2013, que o coloca em um lugar de destaque no mapa do power violence, onde tantas bandas surgem e desaparecem sem grandes méritos para serem lembradas. Eles também lançaram a tape Erode, e um split tape com os canadenses do Obacha, mas sua tape auto intitulada é ideal para quem gosta de encarnações recentes de Infest e Crossed Out, como Abuse., Suffer ou Sea of Shit.

Erode Tape (2012)

Slave Tape (2013)

Judas

Com o intuíto de utilidade pública do blog em compartilhar bandas desconhecidas, trago aqui o Judas, power violence da Califórnia. E a banda não é fraca não, eles sabem fazer um rápido e impiedoso power violence cadenciado por um eficiente sludge, e ainda tem como particularidade uns trechos meio stonner, meio Melvins, meio rockão setentista, bem interessantes, lembrando o que o Backslider iria fazer anos mais tarde. Mas não se assuste, isto é feito principalmente em uma música instrumental, no resto do tempo é apenas um bom e tradicional power violence. 
Apesar do nome um tanto genérico, realmente é uma banda a ser lembrada. 
Lançaram uma demo em 2006 e dois EPs, de 2007 e 2010.

Demo (2006)


Judas EP (2007)

Dictator EP (2010)

Sick Machine

O Sick Machine é mais uma prova da qualidade das bandas de power violence australianas. Em 2013 eles lançaram sua primeira demo e no início de 2015 o EP Muzzled, mas foi no EP Suicide Pill que mostraram do que realmente são capazes. Power violence grosseiro, negativo e sombrio para os órfãos do Suffer. A gravação sem qualidade refinada, que parece feita diretamente de um ensaio só contribui para o tipo de som que a banda faz, mostrando mais fielmente a sua essência.

Demo (2013)

Muzzled EP (2015)

Suicide Pill EP (2015)


Trembling Hands - Demo

Power violence obscuro americano que lembra muito o Iron Lung, mas esta, aparentemente, é californiana e sem qualquer ligação, além da influência. O único registro deixado foi esta demo em CDr/tape. Um dos seus integrantes também fez parte do Permanent Ruin. 

Demo (2012)

Disputa

Eu já conhecia o Disputa, de Santiago, pela sua participação no split com o Tiempo Crucial e pelo registro ao vivo Amor y Materialismo Dialectico, mas a banda me surpreendeu mesmo no disco Ontologia de la Violencia, de 2012, com um som maduro e feroz, com letras sérias e inteligentes, cantadas por dois vocais com forte influência crust. Para mim é um dos melhores álbuns do power violence chileno.

Amor y Materialismo Dialectico (2009)

Tiempo Crucial & Disputa Split EP (2009)

Ontologia de La Violencia (2012)

Low Threat Profile


O Low Threat Profile trata-se de um time de craques do power violence/fastcore, sendo composto por membros de três das melhores bandas de todos os tempos: Infest, Lack of Interest e No comment! O trio é formado por Andy Beattie (No Comment/Man Is The Bastard) no vocal, Matt Domino (Infest/Neanderthal) na guitarra e Bob (Lack of Interest) na bateria. A combinação destes três monstros não poderia resultar em outra coisa senão um excelente power violence/fastcore nos moldes de suas bandas anteriores.

Mas o Low Threat Profile não é novidade, eles iniciaram na California em 1996 e participaram das coletâneas Reality Part #4 CD/LP (2002 - Deep Six), California Thrash Demolition CD (2004 - 625 Thrash) e Socal Thrash Demolition 7" (2004 - 625 Thrash), mas foi preciso mais de uma década para este registro, cuja gravação foi feita no início dos anos 2000, visse a luz do dia neste EP lançado pela Draw Blank e Deep Six, selos de Matt e Bob, respectivamente. São onze disparos em menos de 5 minutos, sendo que apenas uma passa de 1 minuto.

No mesmo ano e também pelos mesmos selos saiu o primeiro e único LP deles, também conhecido como Product Number 2. Mais uma perfeição em forma de LP, com músicas gravadas em 2000 e vocais em 2010.

Seu último EP, Product Numer 3, de 2014, tem uma nova formação, com Matt nas guitarras e vocais, Chris Dodge no baixo e Bob na bateria e com gravação mais recente, entre 2010 e 2011. Matt, que já havia cantado no Manpig se mostra um bom vocalista, embora eu considere Andy um dos melhores vocalistas do hardcore.

Product Number One EP (2010)

Product Number Two LP (2010)

Product Number Three EP (2014)

Vile Intent


De Montreal vem o Vile Intent, banda que segue à risca a cartilha "CrossedOutiana" com cavalares doses "sludgeanas", eles vão de pesados e lentos riffs até o extremo da velocidade com uma intensidade e perícia admirável. Na primeira demo, lançada em 2008 em cassete pela Where's That Deerhead? Cassettes, embora a qualidade de gravação não seja tão boa, já se identifica o poder devastador desta banda nas seis faixas que compõem o lado A da fita, enquanto no lado B se encontra uma faixa de 11 minutos de ruído. Em seguida, em outra tape, MMX, de 2010, a gravação ainda é mais pobre, mas é também em 2010 que a banda lança pela Choking Hazard o 7'' "Shadow Of The Skull", este sim, com uma qualidade muito boa e com a combinação perfeita de raiva, velocidade e peso, colocando a banda definitivamente em destaque. São sete faixas, incluindo algumas regravações da demo. 
Os EPs seguintes, Regression To The Mean (2011) e Skin In The Game (2012) seguem na mesma pegada. Seu último registro foi o LP Machine Into Flesh. Aqui, o Vile Intent segue com o seu característico power violence cheio de quebras de ritmo, sludge e um hardcore furioso com letras críticas e negativas à respeito da humanidade e,  neste registro em especial, tratando dos impacto da tecnologia em nossas vidas. Um grande álbum que mantém a chama do power violence acesa. Ideal para quem gosta de Suffer, Sea of Shit, Scapegoat e Hatred Surge.

Demo Cassete (2008)


MMX Cassete (2010)

Shadow Of The Skull 7" (2010)




Regression to the mean 7'' (2011)

Skin in the Game 7" (2013)

Machine Into Flesh LP (2015)

Site