segunda-feira, 9 de abril de 2018

Alguns bons discos de 2017

Chegou a hora da esperada e tradicional postagem dos favoritos do ano anterior e, como de costume, já quase perto da metade do ano seguinte. A quantidade de discos pra ouvir, problemas hospitalares e falta de ânimo contribuíram para este atraso. Alguns álbuns provavelmente poderiam entrar para a lista, mas não tive acesso à todos os lançamentos. E, como sempre, a lista é baseada no meu gosto, o que abrange principalmente hardcore e dos rápidos.

ACxDC & Goolagoon Split EP

ACxDC, que todos já conhecem, divide este split com a recente Goolagoon, diretamente da fenda do biquini de Boston e se nota que a principal influência é do Scholastic Deth, tanto que mandam um belo cover de Book Attack. O vocal de Lily lembra bastante o de Max Ward, mas também há um outro vocal cavernoso e uma levada um pouco mais power violence.

ArnøxDuebel & Disparo! Split EP

De um lado temos o Disparo, fastcore com vocais agudos da Austrália, influenciado por Infest, Limp Wrist e Punch que vêm lançando bastante álbuns recentemente. Do outro,  ArnøxDuebel, power violence com dois vocais para quem gosta de Spazz, da Alemanha.  

Butcher - Self Titled Tape

O Butcher, do Canadá, toca um grind com boa influência de power violence, de forma suja, crua e primitiva. São oito sons em pouco mais de três minutos neste primeiro registro.

Crutch & Pavel Chekov Split Tape

Split com duas bandas que retornam este ano, o Crutch, de Oklahoma e Pavel Chekov do Texas. Ambas ótimas bandas que aplicam um consistente fastcore / power violence. 

D.E.R. - Rancor EP

O D.E.R. sabe muito bem como adicionar influências mais técnicas do death metal sem se tornar cansativo ou perder a brutalidade do grind, e sem fugir dos ideais do punk. O EP Rancor é um álbum cuja temática é carregada de raiva e desesperança em relação à opressão ainda sofrida pelas populações negras. São seis faixas tocadas com precisão por músicos excelentes.

Depraved & Scum Human Split EP

Split rapidíssimo com duas bandas que já apareceram por aqui na lista passada. O Depraved, que não foge às suas raízes do power violence californiano de um lado, enquanto no outro vem os canadenses do Scum Human.

Despise You & Coke Bust Split EP

Split com bandas de duas gerações distintas, mas ambas com suas características inconfundíveis e que podem ser consideradas clássicas dentro do hardcore americano. O Despise You com seu pesado e metalizado power violence e o Coke Bust com um hardcore fast cheio de energia.

Disciples of Christ - Parched Dredge EP

O trio de discípulos de Cristo de Washington já é meio que uma unanimidade aqui no blog - ou seja, pra mim mesmo - com um grindcore/power violence que é uma verdadeira surra, com a presença de Chris Moore - do Coke Bust, ex-Magrudergrind e na nova formação do Repulsion - dando uma aula na bateria, mas os outros integrantes, que fazem parte do Genocide Pact, mantém o alto nivel. O EP contém seis curtas e destruidoras músicas e é parada obrigatória para quem gosta da banda.

Endless Swarm & Forged Split EP

O Endless Swarm é de Edinburgh, na Escócia, e seu som é calcado no power violence com algo de grindcore, lembrando o Gets Worse. Já o Forged, mostra mais um bom lançamento em um ano em que ainda saiu um EP e um 3-way split.

Escørt - Demo

O Escørt, de Olympia, Washington, ‎lançou em 2017 sua primeira demo, com cinco músicas de um excelente e empolgante hardcore-punk direto e simples com vocais roucos e alguns solos rápidos de guitarra, que me lembraram do G.L.O.S.S., também de Olympia. 

Exit Unit - Exit Unit EP

Este EP é uma boa amostra para quem gostaria de ouvir um disco novo com a formação atual do Infest, já que o Exit Unit é composto por 3/4 da banda. O trio que participou ativamente do nascimento do power violence, é formado por Joe Denunzio (Infest, Neanderthal) no vocal, Matt Domino (Infest, Manpig, Neanderthal, Low Threat Profile) na guitarra e baixo e Bob Kasitz (Infest, Low Threat Profile, Lack of Interest, To the Point e Burn Your Bridges) na bateria. A gravação ocorreu em 2011 e 2015 e, se não me engano, foi o primeiro álbum com Denunzio nos vocais desde o No Man's Slave, do Infest. Saiu pela Deep Six, de Bob e Draw Blank, de Matt.
No som não há novidades, remetendo ao Infest e Lack of Interest, finalizando o EP ao estilo do Infest, com uma faixa instrumental longa e arrastada. Não tem como não entrar na lista.

Fractured - Recognized By Failure EP

O Fractured é mais uma daquelas bandas do pessoal das bandas clássicas do power violence californiano. Aqui estão Bob, cujo currículo já foi citado na descrição do Exit Unit, Kevin Fetus (Lack of Interest, To The Point) e Hans Steele, do False Negative. Para quem gosta de Infest, Lack of Interest e No Comment.

Gas Chamber & Disciples of Christ Split EP


O Gas Chamber, de Buffalo, conta com membros com passagens por várias bandas relevantes do hardcore, como They Live, Running For Cover, Slave State, Dead Languages, e tem uma sonoridade com elementos do hardcore, noise e power violence, mas de forma única e experimental, contrastando a agressividade com passagens com certa melodia, lembrando algo do Man Is The Bastard e do próprio Running for Cover, que já tinha um som similar, mas evoluiu em termos de experimentalismo das músicas no Gas Chamber. O  Disciples of Christ já foi apresentado anteriormente e mantém sua pegada destrutiva em mais este EP.

Hummingbird of Death - Forbidden Techniques LP

Mais um discaço do trio de Boise, que sabe como poucos aplicar um fastcore com bases ultra velozes e executados com técnica invejável. Eles já haviam lançado o EP Fastcore Forever, com gravações caseiras e cruas em 2017. Já em Forbidden Techniques, lançado pela To Live A Lie, a banda parece evoluir em termos técnicos, com bases mais complexas, exigindo grande precisão dos músicos, mas mantendo a identidade sonora fastcore da banda, o que é o mais importante. O disco ainda tem uma bela arte de capa feita por Lucas Korte, do xBrainiax. Lançamento imperdível.

Intruder - Demo

Formada por integrantes do Forged, a banda californiana toca um hardcore / power violence rápido e bruto recordando Infest e Crossed Out.

Johny Foxter - Self Titled 

Nova banda da República Tcheca que toca um fastcore com algo de power violence na veia de bandas como Charles Bronson e Fatal Nunchaku, com direito a títulos de músicas infinitos e engraçados, que devem ser boa parte da letra da música. 

Limp Wrist - Facades LP

Após nove anos desde seu lançamento anterior, o Limp Wrist retorna com sua fúria em um momento onde é necessário reagir ao crescente conservadorismo, nacionalismo, homofobia e todo tipo de preconceito pelo qual o mundo tem vivido atualmete. As últimas três faixas destoam bastante do restante do álbum e da discografia da banda, sendo músicas eletrônicas mais dançantes. Mesmo torcendo o nariz para estas músicas, o disco mostra a qualidade habitual da banda que a tornou referência nas oito faixas iniciais e merece ser citado como um dos grandes destaques do ano. Além da bela capa, o disco vem com um grosso encarte com letras e artes.

Los Caidos - No 10"

Banda de hardcore/fastcore argentina que tem o hábito de desperdiçar um lado dos discos. Assim foi no flexi EP e agora em um 10" com poucos minutos em apenas um dos lados. Talvez não valha a pena comprar o disco, mas as músicas presentes valem o download e alguns repeats.

Lugubrious Children - Oblivion EP

Mais um bom EP desta excelente banda de Leeds, que certamente não entrará no esquecimento. São dez faixas de alto nível de violência sonora.

MarxBros & Travolta Split LP

Se algum desavisado ouvir os primeiros segundos do MarxBros logo irá perceber algo familiar. O motivo é se tratar da nova banda de Paul e Olav, do Lärm e Seein Red, seguindo bem a sonoridade das antigas bandas. Para completar a formação, o baixo foi gravado pelo onipresente  Chris Dodge. O outro lado, tocado pelos belgas do Travolta, mantém a velocidade e, naturalmente, ideias anti-capitalistas em um fast hardcore/crust.

Mondo Gecko - Sick,  Twisted,  Psycho, Deranged

A banda israelense soltou mais um disco com 18 rápidas e bem executadas músicas de hardcore e thrashcore cantadas em inglês, denotando sua já conhecida qualidade.

No Faith - Forced Subservience LP

Segundo LP, agora lançado pela Iron Lung Records, desta poderosa banda de power violence de Massachusetts, com integrantes de bandas como Vaccine, Black Army Jacket e Discordance Axis.
São 23 furiosas canções de power violence, com elementos de sludge e ruídos power eletronics. A gravação e mixagem ficou a cargo de Will Killingsworth, que também é o responsável pelos ruídos e vocais da banda.

Nothing Clean & Art of The Burning Water Split EP


O Nothing Clean é mais uma presença constante nas minhas listas e segue com seu som caótico e urgente, absolutamente aniquilador. Do outro lado, vem o Art Of The Burning Water, também da Inglaterra e com membros do Beg, com uma pegada mais fast/crust/grind e ainda mandam um cover de Negative Approach. 

Odio - Ancora 12'' EP

Segundo EP, agora em 12", do Odio, banda americana de Oakland mas, por seu nome e algumas letras em italiano, parece uma banda italiano, porém emulando um hardcore-punk/d-beat/noise ao melhor estilo japonês com um vocal que dá sentido ao nome da banda. Lançado pelo selo italiano Agipunk e com destaque também para a bela arte da capa feita pelo Sugi.

Ona Snop & Chinsniffer Split EP

Mais cinco faixas do colorido e violento power violence dos ingleses do Ona Snop, para quem gosta de Spazz, Lugubrious Children e Afternoon Gentlemen. Já o Chinsniffer é de Liverpool e faz um power violence cheio de ruídos eletrônicos e sem guitarra, provavelmente inspirado em Man Is The Bastard/Bastard Noise.

Oxidant - Deconstruct EP

Nova banda de Michael Gifford, do Slave State,  Running For Cover, Gas Chamber e Resist Control. No baixo está Will Buttler, do No Comply e proprietário do selo To Live A Lie, que lançou o EP. A banda tem vocais femininos em um fastcore / power violence com muita intensidade e agressividade.

Sidetracked - God's America Split EP

O Sidetracked lançou uma série de CDs em 2017, mas todos com músicas curtíssimas de poucos segundos. O que mais me chamou a atenção foi o split com o God's America, em que a banda toca seu conhecido fast/thrashcore com muitas quebras de ritmo lembrando xBrainiax e No Comment. O God's America, por sua vez, vem com uma longa música, que se arrasta por quase sete minutos de agonia e desespero.

Stimulant -  Self Titled  EP

Primeiro disco do duo de New York,  que integravam o Water Torture. A banda mantém uma proposta influenciada pelo power violence e noise, mas, particularmente, vejo uma evolução no Stimulant em relação a velocidade e peso, por conta da guitarra, que substitui o baixo  predominante da banda anterior. 

Tarantüla - Weird Tales Of Radiation And Hate EP

Para quem estava com saudade do hardcore punk sujo e degenerado do Cülo, seus integrantes estão com uma nova banda, a Tarantüla, com sonoridade similar, mas alguma pegada mais dark/post-punk. Capa com os habituais e sujos desenhos de Drugface, membro da banda.

Terminal Nation - Absolute Control EP

O Terminal Nation, do Arkansas, toca um hardcore com forte influência do power violence e vocais que lembram os de Joe Denunzio, do Infest. Boa banda, para quem gosta de coisas como Infest e Weekend Nachos.

Assim encerra a lista e agora posso iniciar meu novo projeto: uma grande lista de discos de hardcore essenciais, que espero começar logo e ir postando aos poucos.

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

George Harrison (GxHx)


O GxHx (George Harrison) foi uma das primeiras e mais influentes bandas do fastcore russo, com integrantes vindos do Infected Society. Apesar do visual e do nome remeter ao Charles Bronson, seu som era mais simples e direto, com dois vocais, mas ainda assim com uma certa identidade. Eles lançaram duas demos, um split com Conga Fury e a coletânea "First Two Years" compilando estes registros, incluindo as músicas que sairiam por um split com a banda Rob Halford e coletâneas.

As músicas são curtas e divertidas, falando de quadrinhos, ninjas, hardcore e pizza!
Os integrantes depois formaram o Frank Castle Gonna Break Your Neck! mantendo a mesma sonoridade.

First Two Years LP

Threatener


Surgindo na onda do Scholastic Deth e outras bandas rápidas dos anos 2000, veio o Threatener, de Michigan, que elevou o fastcore a um nível ainda mais extremo. A banda também lançou seus EPs pela 625 Thrashcore e seu som era absolutamente destruidor, executado na velocidade da luz, com vocais agressivos e gravações cruas destacando a sujeira e ruído da banda. É daquelas bandas que, se você gosta de hardcore rápido e ainda não conhece, irá te impressionar e deixar de cabelo em pé se perguntando o que foi que o esmagou. 

Em 2003 eles lançaram sua demo tape "Follow The Blood Trail", seus EPs foram o The Hammering, de 2003, The Fastening, de 2004 e ...And The Bending of Throats, de 2007. Também deram as caras na coletânea Tomorrow Will Be Worse Vol. 4. Todas estas músicas e gravações ao vivo foram reunidas no CD discografia "The Hammering, The Fastening, And The Bending of Throats".

Ideal para quem gosta de Hellnation, xBrainiax, Scholastic Deth, Exclaim e do catálogo da 625 e Sound Pollution em geral. Sensacional!


Follow The Blood Trail Demo Tape (2003)

The Hammering EP (2003)

The Fastening EP (2004)

V.A. - Tomorrow Will Be Worse Vol. 4 (2005)

... And The Bending of Throats (2007)

The Hammering, The Fastening, And The Bending Of Throats ‎CD (2008)

Live On WCBN CDr (2005)

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Scholastic Deth

O Scholastic Deth foi uma banda surgida em 2000, vindo a encerrar em 2002 e contava com Max Ward como vocalista, que na época tinha a 625 Thrashcore e tocava no What Happens Next? e Capitalist Casualties. A banda fazia um rápido e positivo fastcore com vocais juvenis intercalados por ruídos de microfonia, também lembrada por mostrar o lado nerd devorador de livros de Max, assim como os outros integrantes, B. Rousse (Conquest For Death, No Statik, Replica), na bateria, Chris Graberm no baixo e Josh Baker, na guitarra, numa época e ambiente onde os considerados nerds eram hostilizados.  

As letras tratavam sobre livros, estudos, coisas nerds, skate, divertir-se e estar com os amigos, tudo livre de drogas, exceto café. Também incluíam críticas à universidades, corporações, empregos e a própria cena punk.

A banda lançou os EPs Shackle Me Not, de 2001, Killed By School, e Revenge of the Nerds, de 2002, todos pela 625. Também apareceram nas coletâneas Bay Area Thrash I Comp EP, Possessed to the skate II Comp 10", Decide On Change Comp, Shut Up And Skate! EP. Sua discografia foi compilada no CD Final Examinar, incluindo músicas inéditas e gravações ao vivo, também lançada pela 625, com um volumoso encarte contendo as letras e opiniões sobre as mesmas, formando um bom artigo para estudo.

A banda durou pouco mas deixou uma influência relevante para o hardcore rápido e inspiração para os nerds. Se alguém tiver os EPs da banda e quiser repassar, entre em contato!

Shackle Me Not! EP (2001)

Killed By School EP (2002)

Revenge of the Nerds EP (2002)

V.A. - Possessed To The Skate - Volume Two 10" LP (2002)

Final Examiner CD (2004)




sábado, 5 de agosto de 2017

B'urst


Já postei o EP Grim Machine do B'urst na lista de bons álbuns de 2016, mas acho que vale dar um destaque maior para esta ótima banda. O B'urst foi formado no fim de 2013 por um pessoal há anos envolvido no hardcore de São Paulo e do Rio, com o intuito de ser um projeto para apenas gravar uma demo e fazer alguns shows. A demo saiu no começo de 2014, e já mostrava uma banda competente fazendo um hardcore bruto e direto ao ponto, com vocais exalado fúria, influenciada pelas bandas americanas dos anos 80 de Youth Crew e NYHC, como os primórdios do Agnostic Front e Youth of Today, Urban Waste, The Abused, SFA e Warzone. 

Após o segundo show, a banda decidiu continuar e, até então, já lançou dois EPs. O primeiro em 2015, pela Criminal Rights, dos EUA, incluindo as músicas da demo com melhor produção e um cover do SFA. Em 2016 lançaram o EP Grim Machine, pelo selo italiano Assurd Recs, com quatro músicas, entre elas um cover do Urban Waste.   

A formação atual conta com Menezes (ex-Reajuste e Cooper Cobras) no vocal, Jaypee (ex-Direct Shot e atual Perception e Static Control) no baixo, Junêra (ex-Black Coffins, Bandanos e War Inside) e Pedro Carvalho (ex-I Shot Cyrus e Newspeak e atual Futuro, Modulares e Static Control) nas guitarras e e Punkids (ex-Werewolf e atual Power Abuse) na bateria. Também passaram pela banda Rafael Madeira (ex-DisXease, Pointing Finger, Critical Point e Time X) na bateria e o Breno Carollo (ex-Direct Shot e atual Perception) na guitarra. 

Eu mesmo confesso não ser grande entusiasta ou conhecedor de bandas modernas que revisitam o NYHC, que muitas vezes me soam genéricas, com um som muito metalizado ou com breakdowns demais para o meu gosto, mas o B'urst soube usar bem estes elementos e acertou em cheio e merece reconhecimento.
Para quem ainda não se liga na banda, dê uma conferida no bandcamp deles. Recomendo!

terça-feira, 13 de junho de 2017

Injúria - Demo


Banda do Rio de Janeiro, que tocava um thrashcore com algo de crossover lá pela metade dos anos 2000. Eles chamavam seu som de powerthrashvandalism. Som rápido, mas quase nada de power violence, apesar do "power".